Você parece ter perdido sua conexão com a internet!
Certifique-se de que esta conectado para que não perca os dados desta página.
Campos com bordas vermelhas são obrigatórios e devem ser preenchidos corretamente !
CASA EDITORA O CLARIM | 113 anos divulgando o Espiritismo
CASA EDITORA O CLARIM
anos divulgando o Espiritismo
MEU CARRINHO
0
itens adicionados
0
  • televendas (16) 3382.1066
  • contato
  • WhatsApp (16) 99270.6575
  • redes sociais
  •    
  • MEU CARRINHO
    0 itens adicionados
Produtos ↓
Jornal O Clarim • Dezembro 2018
A solidão do “crucifica-o!” Não somos muitos os que nos dispomos a subir a montanha dos sacrifícios
Cláudio Viana Silveira
cvs1909@hotmail.com
01/12/2018

“O governador tornou a perguntar: ‘Mas que mal fez ele?’ E gritavam ainda mais forte: ‘Seja crucificado!’” (Mateus, 27:23)

Quando Ele multiplicou os pães, saciamo-nos, pois estávamos lá! Aumentou e distribuiu os peixes, beneficiamo-nos: estávamos lá! Às escuras, optamos mais tarde por Barrabás: ora, estávamos lá! “Crucifica-o, crucifica-o!”, rogamos, pois sempre estivemos por lá!

Cinco mil, com fome, estivemos lá. Cinco mil, por vergonha e com infâmia, os mesmos infelizes e libertinos, sempre, sempre, estivemos por lá!

***

Não somos muitos os que nos dispomos a subir a montanha dos sacrifícios. O Mestre o fez! Fora seus algozes, obrigados a conduzi-Lo ao patíbulo, os outros dois sentenciados, os príncipes dos sacerdotes, escribas e anciãos zombeteiros e um grupo de curiosos, sabe-se que apenas Maria, sua Mãe, Maria de Magdala, Maria, mãe de Tiago e José, e João Evangelista o acompanharam ao topo para o holocausto. Não estamos, desta forma, menosprezando os demais apóstolos e discípulos que permaneceram na base da encosta de sangue; estamos apenas aventurando-nos a uma distinção lógica entre os que subiram ao monte e os que permanecemos ainda na base da evolução.

De acordo com os ensinamentos de Emmanuel, os que se dispõem a subir a montanha das virtudes, fatalmente, e pouco a pouco, se distanciarão dos não virtuosos: e estes muitos campeamos neste ainda pobre planeta de provas expiações.

A partir do “crucifica-o!”, quando sentenciamos os virtuosos ou lavamos as mãos perante suas coragens, distanciamo-nos do Gólgota purificador. Enquanto os virtuosos experimentarão a solidão de seus avanços, experimentaremos a solidão do distanciamento das alturas. Eles na solidão de caminhos estreitos e íngremes da subida, e nós nos vales, voejando em círculos inebriantes tais quais borboletas douradas.

Perguntamos: quem da “Jerusalém de baixo” escutou as últimas palavras de ensino, de perdão e de estímulo do Mestre crucificado? Somente os da “Jerusalém do Gólgota” as puderam ouvir! Alguns as aproveitaram, como Seus próximos e o próprio centurião de Roma que viria a exclamar em arrependimento oportuno: “Verdadeiramente, este homem era Filho de Deus!” (Mateus, 27:54).

Os cimos não são muito frequentados; os fortes na virtude o fazem! E quando nos dispusermos a cursá-los — mais dia, menos dias, todos o faremos! — também experimentaremos a solidão do “crucifica-o!”. A mesma solidão que experimentaram Jesus, Verônica, Simão de Cirene, João, as Marias, Dimas — o “bom” ladrão — e o comandante romano convencido e arrependido.

Não é fácil destituirmo-nos da almofada dourada da acomodação de nosso orgulho para nos dispormos à escalada. Emmanuel, em analogia fantástica, afirma que “a ave, para libertar-se, destrói o berço da casca em que se formou, e a semente, para produzir, sofre a dilaceração da cova desconhecida”. Continua o orientador com suas analogias, informando-nos que a rocha que sustenta as várzeas deverá suportar a solidão e que o sol majestoso que nos aquece, alimenta e ilumina, sempre brilhará sozinho...

***

Os cimos nos esperam; são inevitáveis! Alguns os alcançarão primeiro, pois assim entendemos, pois que somos de evoluções diferenciadas. Até que o planeta se equilibre dentro da revelação que uma regeneração reclama, os que atingirem os cimos primeiro, sem dúvidas, experimentarão a solidão das incompreensões, pois o Mestre e os que o acompanharam de boa vontade percorreram e ditaram tal roteiro. Nada de anormal nos desígnios do Criador, neste planeta gerenciado fielmente por um Governador que desejou encarnar entre nós e experimentar, inclusive, a solidão do “crucifica-o!”.


- XAVIER, Francisco Cândido. Fonte viva. Pelo espírito Emmanuel. Cap. 70 — “Solidão”. 1.ed. FEB.