Você parece ter perdido sua conexão com a internet!
Certifique-se de que esta conectado para que não perca os dados desta página.
Campos com bordas vermelhas são obrigatórios e devem ser preenchidos corretamente !
CASA EDITORA O CLARIM | 113 anos divulgando o Espiritismo
CASA EDITORA O CLARIM
anos divulgando o Espiritismo
MEU CARRINHO
0
itens adicionados
0
  • televendas (16) 3382.1066
  • contato
  • WhatsApp (16) 99270.6575
  • redes sociais
  •    
  • MEU CARRINHO
    0 itens adicionados
Produtos ↓
Notícias
Um tributo a Richard Simonetti

Um exemplo de vivência cristã e dedicação à divulgação espírita

Sidney Fernandes
29/10/2018

Em 1957, Richard Simonetti teve o seu primeiro artigo editado pela FEB — Federação Espírita Brasileira. Somente doze anos mais tarde seria publicado o seu primeiro livro: Para viver a grande mensagem. A princípio, editores estranharam as abordagens de Simonetti, que, já naquela época, atrevia-se a escrever sobre temas atuais, motivo de perplexidade para espíritas mais ortodoxos, como aconteceu em seu segundo livro: Temas de hoje, problemas de sempre.

Penso que nenhuma editora daqueles tempos imaginaria que, seis décadas mais tarde, aquele escritor principiante estaria chegando à improvável marca de 65 livros, entre edições no Brasil e no exterior, com quase três milhões de exemplares impressos.

Seu último livro, O melhor é viver!, aborda um tema delicado — suicídio — sob a óptica de um centro espírita que passa a desenvolver iniciativas não somente consoladoras, mas também preventivas, a fim de desestimular os que pensam em colocar termo à sua vida.

Na verdade, além de outra obra específica — Suicídio, tudo o que você precisa saber — em toda a sua bibliografia Simonetti sempre tratou do respeito à vida, a ponto de conferir a um dos seus livros o título Uma razão para viver.

A nova visão do mundo que o Espiritismo nos proporciona é ressaltada por ele em seu novo livro, lembrando-nos da missão que cada um de nós, como espírita, traz aos patamares terrestres, a fim de deixar o mundo um pouco melhor do que o encontrou e voltar à espiritualidade um pouco melhor do que quando chegou.

É possível receber uma carta da esposa falecida? Espíritos podem revelar que um aparente acidente foi, na verdade, proposital? Quais são os efeitos colaterais de um suicídio? Uma dedicatória do além pode salvar uma vida? O que surge primeiro: a depressão ou a obsessão? São perguntas respondidas pelo autor com um linguajar simples, acessível e objetivo. 

Tão corajoso agora quanto foi ao abordar temas considerados tabus no meio espírita. Em O melhor é viver!, Simonetti não deixa de lado o trato da questão de gênero, mostrando que a sociedade caminha para o fim da dicotomia entre masculino e feminino, respeitando as opções e tendências de cada Espírito encarnado. 

A obra literária de Richard Simonetti representa, e assim se projetará no futuro, uma das mais importantes contribuições para o estudo e a prática do Espiritismo, seja no aspecto filosófico ou experimental, à luz do Evangelho ou do fenômeno mediúnico, tanto para jovens, como para os mais experientes.

Em todos os seus livros, no entanto, jamais o autor deixou de tratar da transformação moral e da responsabilidade de que devem revestir-se os esforços do Espírito, na gloriosa jornada reencarnatória. Praza aos céus saibamos valorizar esses grandiosos valores despertados, para que tenhamos uma existência tão produtiva e transformadora como foi a de Richard Simonetti. 

Tão importante quanto a sua contribuição como orador e escritor espírita, Simonetti nos deixou o exemplo do trabalho e da liderança. Como autêntico líder servidor, ampliou consideravelmente as instalações físicas do Centro Espírita Amor e Caridade (CEAC) de Bauru, tanto em sua sede citadina, como nos seis núcleos localizados na periferia carente de Bauru, além do albergue, hoje situado nas imediações do terminal rodoviário, agregando, atualmente, mais de mil voluntários.

Em sua gestão, o carro-chefe da promoção social do CEAC — o Albergue Noturno, desde 1951 chamado de hotel dos pobres — deixou de ser apenas um abrigo para os desalentados para se transformar em Casa de Passagem, passando a oferecer acolhimento a indivíduos e famílias em situação de vulnerabilidade social, por intermédio de profissionais preparados para diagnósticos e encaminhamentos necessários.

O CEAC cresceu, não apenas fisicamente. O espírito dinâmico e inquieto de Simonetti produziu inúmeros frutos de consolo, corporificados na ampliação dos cursos de Espiritismo e com o surgimento de novos grupos mediúnicos, hoje com 95 unidades, agregando mais de mil pessoas.

Grupo Vida, TDM — Tratamento para Depressão por Magnetismo, Atendimento Espiritual à Saúde, Joias Devolvidas, Fluidoterapia, Apoio a Dependentes Químicos, Aulas da Vida e Editora são algumas das atividades de consolo implantadas na gestão Richard Simonetti durante sua trajetória de trabalho no CEAC.

Importante lembrar que ele foi um dos grandes incentivadores do Clube do Livro Espírita, na década de 1970, quando foi convencido por José Reis, de Marília, e por Leopoldo Zanardi, que residia em Tupã, a experimentar e implantar aquela fabulosa ideia que hoje está espalhada por todo o Brasil, distribuindo livros à mão cheia e mandando o povo pensar — como diria Castro Alves. 

E no campo da comunicação? Hoje a mensagem do CEAC chega a milhares de pessoas, graças à existência do jornal Momento Espírita, da Rádio CEAC, da TV CEAC e das páginas e redes sociais na internet, originários de suas iniciativas.

Richard Simonetti deixou um legado incomensurável, um exemplo a ser seguido e uma obra a ser mantida. Que, da espiritualidade, ele continue nos inspirando para o trabalho e para o consolo, como sempre fez, com muito amor e caridade.

***

Richard Simonetti, natural e residente em Bauru (SP), retornou à Pátria Espiritual no dia 3 de outubro, aos 82 anos. Simonetti fazia tratamento contra o câncer, com sérias complicações recentes.

Nascido em 10 de outubro de 1935, casado com Tânia Regina Simonetti e pai de quatro filhos, foi funcionário do Banco do Brasil por 30 anos, e passou a dedicar-se integralmente ao trabalho de divulgação espírita em 1986, após sua aposentadoria, especialmente no Centro Espírita Amor e Caridade, instituição que frequentava desde a infância e pela qual concretizou muitos projetos doutrinários e assistenciais (atualmente beneficia cerca de 25 mil pessoas).

Além do extenso trabalho literário, colaborou ativamente com diversos periódicos espíritas, entre eles a Revista Internacional de Espiritismo, pela qual assinou a coluna “Pinga-Fogo” por 20 anos, de fevereiro de 1998 a junho de 2018, quando precisou ausentar-se em razão do agravamento de seu quadro clínico. Sua reconhecida excelência literária o tornou membro honorário da Academia Bauruense de Letras.

Pela Casa Editora O Clarim também lançou os livros A força das ideias (1994) e Não pise na bola (1996). Este último, direcionado a jovens espíritas, foi relançado em 2018 com conteúdo ampliado, tendo participação ativa de Simonetti em sua produção.

Nossos mais sinceros agradecimentos a este grande trabalhador e divulgador do Espiritismo, que deixa como legado a convicção e o exemplo da verdadeira vivência espírita e cristã.




Foto: